Profissões Regulamentadas

A Secretaria da Receita Federal do Brasil, através do Parecer Normativo CST 15/83, expediu orientações, aonde entende, de acordo com o subitem 4.1 que Profissão Legalmente Regulamentada é aquela cujo exercício tenha sido reconhecido e regulamentado por Lei ou Decreto Federal.

01

 

Advogado

Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994 – Dispõe sobre o estatuto da advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB

 

 

02

 

 

Aeronauta

Lei nº 7.183, de 05 de abril de 1984 – Regula o exercício da profissão de Aeronauta e dá outras providências. Portaria Interministerial nº 3.016, de 05 de fevereiro de 1988 – Expede instruções para a execução da Lei nº 7.183, de 05 de abril de 1984, que dispõe sobre o exercício da profissão de Aeronauta.  Lei nº 7.565, de 19 de dezembro de 1986 – Dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronauta

03

Aeroviário

Decreto nº 1.232 de 22 de junho de 1962 – Regulamenta a profissão de Aeroviário

04

Agente Autônomo de Investimento

Resolução nº 238 de 24 de novembro de 1973

 

05

 

Agrimensor

Lei nº 3.144 de 20 de maio de 1957. Institui o Curso Superior de Agrimensura em todo o País. Decreto nº 53.943 de 03 de junho de 1964 – Regulamenta a Lei nº 3.144/57

06

Analistas Clínico – Laboratoriais

Lei nº 6.686 de 11 de setembro de 1979 – Dispõe sobre o exercício da análise clínico-laboratorial

07

 

Arquivista/Técnico de Arquivo

Lei nº 6.546, de 4 de julho de 1978 – Dispõe sobre a regulamentação de Arquivista e Técnico de Arquivo.  Decreto nº 82.590, de 6 de novembro de 1985 – Regulamenta a Lei nº 6.546, de 4/07/78

08

Arrumador

Lei 2.196 de 01 de abril de 1954 – Dispõe sobre o serviço dos trabalhadores na movimentação de mercadorias

 

09

 

Artista/Técnico em Espetáculos de diversões

Lei nº 6.533, de 24 de maio de 1978 – Dispõe sobre a regulamentação das profissões de Artista e de Técnico em Espetáculos de Diversões e dá outras providências.
Decreto nº 82.385, de 5 de outubro de 1978 – Regulamenta a Lei nº 6533, de 24/05/1978

10

Assistente Social

Lei nº 8.662, de 07 de junho de 1993 – Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências

 

11

 

Atleta Profissional de Futebol

Lei nº 6.354, de 02 de setembro de 1976 – Dispõe sobre as relações de trabalho do Atleta Profissional de Futebol e dá outras providências.  Lei nº 9.615, de 25 de março de 1998 – Trata das normas gerais sobre desporto. Atleta Profissional. Altera dispositivos da Lei nº 6.354/76

 

12

 

Atuário

Decreto-Lei nº 806, de 4 de setembro de 1969 – Dispõe sobre a profissão de Atuário e dá outras providências  Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Atuário, de acordo com o decreto-lei nº 806/69

 

13

 

Bibliotecário

Lei nº 4.084, de 30 de junho de 1962 – Dispõe sobre a profissão de Bibliotecário e regula o seu exercício. Decreto nº 56.725, de 16 de agosto de 1965 – Regulamenta a Lei nº 4.084/62. Lei nº 7.504, de 02/07/86 – Altera a Lei nº 4.084/62

 

 

14

 

 

Biólogo

Lei nº 1.017, de 30 de agosto 1982 – Dispõe sobre o desmembramento dos Conselhos Federal e Regionais de Biomedicina e de Biologia.  Decreto nº 88.438, de 28 de junho de 1983 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Biomédico de acordo com a Lei nº 6.684, de 03 de setembro de 1979 e de conformidade com a alteração estabelecida pela Lei nº 7.707, de 30 de agosto de 1982

 

 

15

 

 

Biomédico

Lei nº 7.017, de 30 de agosto de 1982 – Dispõe sobre o desmembramento dos Conselhos federal e Regionais de Biomedicina e de Biologia.  Decreto nº 88.439, de 28 de junho de 1983 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Biomédico de acordo com a Lei nº 6.684, de 03 de setembro de 1979 e de conformidade com a alteração estabelecida pela Lei nº 7.707, de 30 de agosto de 1982

 

16

Carregador de Transportador de bagagens

Lei nº 4.637 de 20 de maio de 1965 – Dispõe sobre o exercício da profissão de carregador e transportador de bagagens em portos do País e dá outras providências

 

17

Conferente de Carga e Descarga

Lei nº 1.561 de 21 de fevereiro de 1962 – Dispõe sobre a profissão de conferente de carga e descarga, nos portos organizados do País

 

18

 

Consertador de Carga e Descarga

Lei nº 2.191 de 05 de março de 1954 – Dispõe sobre a exclusividade no serviço de conserto de carga e descarga, nos portos organizados.
Decreto nº 56.414 de 04 de junho de 1965 – Regulamenta a Lei nº 2.191/54

 

 

 

19

 

 

 

Contabilista

Decreto-Lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guarda-livros, e dá outras providências.  Decreto-Lei nº 9.710, de 03 de setembro de 1946. Dá nova redação a dispositivos do Decreto-Lei nº 9.295/46.  Lei nº 570, de 22 de dezembro de 1948. Altera dispositivos do Decreto-Lei nº 9.295/46.  Lei nº 4.695, de 22 de junho de 1965. Dispõe sobre a composição do Conselho Federal de Contabilidade e dá outras providências.  Decreto-Lei nº 1.040, de 21 de outubro de 1969. Dispõe sobre os Conselhos Federal e Regionais de Contabilidade.  Lei nº 5.730, de 08 de novembro de 1971. Altera o Decreto -Lei nº 1.040/69

 

20

 

Corretor de Fundos Públicos

Lei nº 2.146 de 29 de dezembro de 1953 – Dispõe sobre a aplicação aos Corretores, Câmaras Sindicais, Juntas, Bolsas de Mercadorias e Caixas de Liquidação de todo o País, legislação específica

 

 

21

 

 

Corretor de Imóveis

Lei nº 6.530, de 12 de maio de 1978 – Dá nova regulamentação a profissão de Corretor de Imóveis, disciplina o funcionamento de seus órgãos de fiscalização e dá outras providências.  Decreto nº 81.871, de 29 de junho de 1978 – Regulamenta a Lei nº 6.530/78.  Resolução nº 12, de 25.11.78, do Conselho Federal de Corretores de Imóveis. – Dispõe sobre o exercício da profissão de Corretor de Imóveis e sua inscrição nos Conselhos Regionais

 

22

 

Corretor de Navios

Decreto nº 19.009 de 27 de novembro de 1929 – Regulamenta os Corretores de Navios.
Decreto nº 52.090 de 04 de junho de 1968 – Regulamenta a profissão de Corretor de Navios e de seus prepostos

 

 

23

 

 

Corretor de Seguros

Lei nº 4.594, de 29 de dezembro de 1964. Regula a profissão de Corretor de Seguros.  Decreto nº 56.903, de 24 de setembro de 1965. Regulamenta a profissão de Corretor de Seguros de vida e da capitalização, de conformidade com o art. 32 da Lei nº 4.594/64.
Lei nº 7.278, de 10.12.1984 – Nova redação ao artigo 4º, da Lei nº 4.594/64

 

24

 

Despachante Aduaneiro

Portaria Interministerial MF/MTb nº 209, de 10 de abril de 1980 – Dispõe sobre a habilitação para o exercício da atividade de despachante aduaneiro e de ajudante de despachante aduaneiro, bem como sobre o registro e a cassação de habilitação e dá outras providências

 

 

25

 

 

Economista

Lei nº 1.411, de 13 de agosto de 1951 – Dispõe sobre a profissão de Economista.  Decreto nº 31.794, de 21 de novembro de 1952 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Economista.  Lei nº 6.537, de 19 de junho de 1978. Altera dispositivos da Lei nº 1.411/51.
Lei nº 1.411/51 foi dada pela Lei nº 6.021, de 04 de janeiro de 1974

 

 

26

 

 

Economista Doméstico

Lei nº 7.387, de 21 de outubro de 1985. Dispõe sobre o exercício da profissão de Economista Doméstico e dá outras providências.  Decreto nº 92.524, de 08 de abril de 1986. Regulamenta a Lei nº 7.387/85.  Lei nº 8.042, de 15 de junho de 1990. Cria os Conselhos Federal e Regionais de Economistas Domésticos, regula seu funcionamento e dá outras providências

 

27

 

Educação Física

Lei nº 9.696, de 01 de setembro de 1998 – Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselho Federal e Regionais de Educação Física

 

28

 

Empregado Doméstico

Lei nº 5.859, de 11/12/72 – Dispõe sobre a profissão de empregado doméstico e dá outras providências.  Decreto nº 71.885, de 09.03.1973 – Aprova o regulamento da Lei nº 5.859, de 11.12.1972

 

29

Empregados Vendedores, viajantes ou pracistas

Lei nº 3.207 de 18 de julho de 1957 – Regulamenta as atividades dos empregados vendedores, viajantes e pracistas

 

 

30

 

 

Enfermagem

Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973 – Dispõe sobre a criação dos Conselhos Federal e Regionais de Enfermagem e dá outras providências. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986 – Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987. Regulamenta a Lei nº 7.498/86. Lei nº 8.967, de 28/12/94

 

31

 

Engenharia de Segurança

Lei nº 7.410, de 27 de novembro de 1985 – Dispõe sobre a especialização de Engenheiros e Arquitetos em Engenharia de Segurança do Trabalho, a profissão de Técnico de Segurança do Trabalho e dá outras providencias.  Decreto nº 92.530, de 9 de abril de 1986 – Regulamenta a Lei nº 7.410/85

 

 

32

 

 

Engenheiro/ Arquiteto/ Agrônomo

Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966 – Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro Agrônomo e dá outras providencias.  Lei nº 8.195, de 26 de junho de 1991 – Altera a Lei nº 5.194/66.
Decreto nº 241/67, incluiu entre as profissões cujo exercício é regulado pela lei nº 5.194/66, a profissão de engenheiro de operação.
Resolução CFEAA nº 313/86, de 26 de setembro de 1986, do Conselho federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, dispõe sobre o exercício profissional dos Técnólogos das áreas submetidas á regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194/66

33

 

Enólogo

Lei 11.476, de 29 de maio de 2007 – Dispõe sobre a regulamentação das profissões de Enólogo e Técnico em Enologia

 

34

 

Estatístico

Lei nº 4.739, de 15 de julho de 1965 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Estatístico e dá outras providências.  Decreto nº 62.497, de 05 de abril de 1968 – Regulamenta o exercício da profissão de Estatístico.
Decreto nº 80.404/77

 

35

 

Farmacêutico

Lei nº 3.820, de 11 de novembro de 1960 – Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia, e dá outras providências. Decreto nº 85.878, de 9 de abril de 1981 – Regulamenta a Lei nº 3.820/60. Lei nº 9.120/95. Lei nº 4.817. Lei nº 5.724/71

 

 

36

 

Fisioterapeuta e Terapeuta Ocupacional

Decreto-Lei nº 938, de 13 de outubro de 1969 – Prevê sobre as profissões de Fisioterapeuta e Terapeuta Ocupacional, e dá outras providências.   Lei nº 6.316, de 17 de dezembro de 1975 – Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Fisioterapia e Terapia Ocupacional e dá outras providências.
Lei nº 9.098/95

 

37

 

Fonoaudiólogo

Lei nº 6.965, de 9 de dezembro de 1981 – Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Fonaudiólogo, e determina outras providências.  Decreto nº 87.218, de 31 de maio de 1982 – Regulamenta a Lei nº 6.965/81.
Lei nº 9.9098/95

 

 

38

 

 

Geógrafo

Lei nº 6.664, de 26 de junho de 1979 – Disciplina a profissão de Geógrafo e dá outras providências.  Decreto nº 85.138, de 17 de setembro de 1980 – Regulamenta a Lei nº 6.664/79.
Lei nº 7.399, de 04 de novembro de 1985 – Altera a redação da Lei nº 6.664/79.
Decreto nº 92.290, de 10 de janeiro de 1986 – Regulamenta a Lei nº 7.399/85

39

Geólogo

Lei nº 4.076, de 23 de junho de 1962 – Regulamenta o exercício da profissão de Geólogo

 

40

 

Guardador e Lavador de Veículos

Lei nº 6.242, de 23 de setembro de 1975 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Guardador e Lavador de veículos automotores, e dá outras providências.  Decreto nº 79.797, de 8 de junho de 1977 – regulamenta a Lei nº 6.242/75

41

Guia de Turismo

Lei nº 8.623 de 28 de janeiro de 1993 – Dispõe sobre a profissão de Guia de Turismo e dá outras providências

 

 

42

 

 

Jornalista

Decreto-Lei nº 972, de 17 de outubro de 1969 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Jornalista.  Decreto nº 83.284, de 13 de março de 1979 – Dá nova regulamentação ao decreto-lei nº 972, de 17 de outubro de 1969, que dispõe sobre o exercício da profissão de Jornalista, em decorrência das alterações introduzidas pela Lei nº 6.612, de 07 de dezembro de 1978

 

43

 

Leiloeiro

Decreto nº 21.981, de 19 de outubro de 1932 – Regula a profissão de Leiloeiro no território da República.  Instrução Normativa nº 47, de 6 de março de 1996 – Dispõe sobre a matrícula e seu cancelamento como Leiloeiro e dá outras providencias

44

Leiloeiro Rural

Lei nº 4.021, de 20 de dezembro de 1961 – Cria a profissão de leiloeiro rural, e dá outras providencias

 

45

 

Mãe Social

Lei nº 7.644 de 18 de dezembro de 1987 – Dispõe sobre a regulamentação da atividade de mãe social, e dá outras providências

46

Massagista

Lei nº 3.968, de 5 de outubro de 1961 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Massagista

 

47

 

Medicina Veterinária

Lei nº 5.517, de 23 de outubro de 1968 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Médico Veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária.
Decreto nº 64.704, de 17 de junho de 1969 – Aprova o regulamento do exercício da profissão de Médico Veterinário e dos Conselhos de Medicina Veterinária

 

 

48

 

 

Médico

Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957 – Dispõe sobre os Conselhos de Medicina, e dá outras providências.
Decreto nº 44.045, de 19 de julho de 1958 – Aprova o regulamento do Conselho Federal e Conselhos Regionais de Medicina a que se refere a Lei nº 3.268/57.
Lei nº 6.932, de 07 de julho de 1981 – Dispõe sobre as atividades do médico residente e dá outras providências

 

49

 

Meteorologista

Lei nº 6.835 de 14 de outubro de 1980 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Meteorologista e dá outras providências

 

50

 

Museólogo

Lei nº 7.287, de 18 de dezembro de 1984 – Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Museólogo;  Decreto nº 91.775, de 16 de outubro de 1985 – Regulamenta a Lei nº 7.287/84

51

 

Músico

Lei nº 3.857, de 22 de dezembro de 1960 – Cria a ordem dos músicos do Brasil e dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de músico, e dá outras providências

 

 

52

 

 

Nutricionista

Lei nº 6.583, de 20 de outubro de 1978 – Cria os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas, regula o seu funcionamento, e dá outras providências.  Decreto nº 84.444, de 31 de janeiro de 1980 – Regulamenta a Lei nº 6.583/78.  Lei nº 8.234, de 17 de setembro de 1991 – Regulamenta a profissão de Nutricionista e determina outras providências.  Lei nº 9.098, de 20 de setembro de 1995

 

53

 

Odontologia

Lei nº 4.324, de 14 de abril de 1964 – Institui os Conselhos Federal e Regionais de Odontologia e dá outras providências.  Decreto nº 68.704, de 04 de junho de 1971 – Regulamenta a Lei nº 4.324/64.  Lei nº 5.081, de 24 de agosto de 1966 – Regula o exercício da odontologia.  Lei nº 6.215, de 30 de junho de 1975

54

Optometria

Lei nº 2.948/03 – Dispõe sobre Curso Superior de Tecnologia em Optometria

 

55

 

Orientador Educacional

Lei nº 5.564, de 21 de dezembro de 1968 – Dispões sobre o exercício da profissão de orientador educacional.  Decreto nº 72.846, de 26 de setembro de 1973 – Regulamenta a Lei nº 5.564/68

 

 

56

 

 

Pescador

Decreto nº 58.827 de 14 de julho de 1996 – Promulga a Convenção Internacional nº 113.
Decreto-lei nº 221 de 28 de fevereiro de 1967 – Dispõe sobre a proteção e estímulos à pesca e dá outras providências.
Decreto nº 64.618 de 02 de junho de 1969 – Aprova o Regulamento de Trabalho a Bordo de Embarcações Pesqueiras

 

57

 

Petroquímico

Lei nº 5.811 de 11 de outubro de 1972 – Dispõe sobre o regime de trabalho dos empregados nas atividades de exploração, perfuração, produção e refinação de petróleo, industrialização do xisto, industria petroquímica e transporte de petróleo e seus derivados por meio de dutos

 

58

 

Professor

Decreto nº 86.324 de 31 de agosto de 1981 – Dispõe sobre o registro profissional dos Professores e dá outras providências

 

59

Propagandista e Vendedor de Produtos Farmacêuticos

Lei nº 6.224 de 14 de julho de 1975 – Regula o exercício da profissão de Propagandista e Vendedor de Produtos Farmacêuticos e dá outras providências

 

 

60

 

 

Psicologia

Lei nº 4.119, de 27 de agosto de 1962 – Dispõe sobre os cursos de formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo.  Decreto-Lei nº 706, de 25 de julho de 1969 – Estende aos portadores de certificado de curso de pós-graduação em psicologia e psicologia educacional, o direito assegurado pelo art. 19 da Lei nº 4.119/62.  Lei nº 5.766, de 20 de dezembro de 1971 – Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências.  Decreto nº 79.822, de 17 de junho de 1977 – Regulamenta a Lei nº 5.766/71

 

61

 

Publicitário/Agenciador de Propaganda

Lei nº 4.680, de 18 de junho de 1965 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Publicitário e de Agenciador de Propaganda e dá outras providências.  Decreto nº 57.690, de 1 de fevereiro de 1966 – Aprova o regulamento para execução da Lei nº 4.680/65

 

62

 

Químico

Lei nº 2.800, de 18 de junho de 1956 – Cria os Conselhos Federal e Regionais de Química, dispõe sobre o exercício da profissão de Químico e dá outras providências.  Decreto nº 85.877 – Regulamenta a Lei nº 2.800/56.
Lei nº 5.735, de 17 de novembro de 1971

 

63

 

Radialista

Lei nº 6.615, de 16 de dezembro de 1978 – Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Radialista e dá outras providências.  Decreto nº 84.134, de 30 de outubro de 1979 – Regulamenta a Lei nº 6.615/78.
Decreto nº 84.134, de 30 de outubro de 179

 

 

64

 

 

Relações Públicas

Lei nº 5.377, de 11 de dezembro de 1967 – Disciplina a Profissão de Relações Públicas e dá outras providências.  Decreto nº 63.283, de 26 de setembro de 1968 – Regulamenta a Lei nº 5.377/67.  Decreto-Lei nº 860, de 11 de setembro de 1969 – Dispõe sobre a Constituição do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Profissionais de Relações Públicas e dá outras providências

 

65

 

Representantes Comerciais Autônomos

Lei nº4.886, de 09 de dezembro de 1965 – Regula as atividades dos Representantes Comerciais autônomos.
Lei nº 8.420, de 08 de maio de 1992 – Introduz alterações na Lei nº 4.886/1965

 

66

Secretário – Secretário Executivo e Técnico em Secretariado

Lei nº 7.377, de 30 de setembro de 1985 – Dispõe sobre a profissão de Secretário e dá outras providências.
Lei nº 9261, de 10 de janeiro de 1996

 

67

 

Sociólogo

Lei nº 6.888, de 10 de dezembro de 1980 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Sociólogo e dá outras providências.  Decreto nº 89.531, de 5 de abril de 1984 – Regulamenta a Lei nº 6.888/80, que dispõe sobre o exercício da profissão de sociólogo e dá outras providências

 

 

68

 

 

Técnico em Administração (Processamento de Dados)

Lei nº 4.769, de 9 de setembro de 1965 – Dispõe sobre o exercício da profissão de técnico de administração, e dá outras providencias.  Lei nº 7.321, de 13 de junho de 1985 – Altera a denominação do Conselho federal e dos Conselhos Regionais de Técnicos de Administração e dá outras providências.  Decreto nº 61.934, de 22 de dezembro de 1967 – Dispõe sobre a regulamentação da exercício da profissão de Técnico de Administração e a constituição dos Conselho Federal e Regionais de Técnicos de Administração, de acordo com a lei nº 4.769/65, e dá outras providências. Leis nº 6.642/79 e 8.873/94

 

69

 

Técnico de Arquivo

Lei nº 6.546 de 04 de julho de 1978.
Decreto nº 82.590 de 06 de novembro de 1978 – Regulamenta a Lei nº 6.546/78

 

70

 

Técnico em Prótese Dentária

Lei nº 6.710, de 05 de novembro de 1979 – Dispõe sobre a profissão de Técnico em prótese Dentária e determina outras providencias.
Decreto nº 87.689, de 11 de outubro de 1982 – Regulamenta a Lei nº 6.710/79

71

 

Técnico em Radiologia

Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985 – Regula o exercício da profissão de Técnico em radiologia e dá outras providências.
Decreto nº 92.790, de 17 de junho de 1986 – regulamenta a Lei nº 7.394/85

 

 

72

 

 

Técnico Industrial

Lei nº 5.524, de 5 de novembro de 1968 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Técnico Industrial de nível médio.
Resolução Normativa nº 24, de 18 de fevereiro de 1970 – Autoriza os Conselhos Regionais de Química a procederem ao registro de Técnicos Industriais.  Decreto nº 90.922, de 02 de fevereiro de 1985 – regulamenta a lei nº 5.524/68 e dispõe sobre a profissão de técnico agrícola de nível médio ou de 2º grau

 

73

 

Tecnólogo

Resolução CFEAA nº 313 de 26 de setembro de 1986 – Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194 de 24 de dezembro de 1966

74

Telefonista

Decreto nº 99.351 de 27 de junho de 1990 – Regulamenta a Lei nº 7.850 de 23 de outubro de 1989

 

 

75

 

 

Tradutor Público

Decreto nº 13.609 de 21 de outubro de 1943 – Regulamento para ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial.
Instrução Normativa do DNRC nº 48 de 06 de março de 1996 – Dispõe sobre a habilitação, nomeação e matricula e seu cancelamento de Tradutor Público e Intérprete Comercial e dá outras providencias

 

76

Transportador Autônomo Rodoviário de Bens

Lei nº 7.290 de 19 de dezembro de 1984 – Define a atividade de Transportador Rodoviário de Bens e dá outras providências

 

77

 

Treinador de Futebol

Lei nº 8.650 de 22 de abril de 1993 – Dispõe sobre as relações de trabalho do Treinador Profissional de Futebol e dá outras providências

 

78

 

Vigias Portuários

Decreto nº 83.611 de 23 de junho de 1979 – Dispõe sobre a execução do serviço de vigilância em navios por vigias portuários, para o exercício da profissão e dá outras providências

 

 

79

 

 

Vigilantes

Lei nº 7.102 de 20 de junho de 1983 – Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento das empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transporte de valores e dá outras providências.
Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983 – Regulamenta a Lei nº 7.102/83.
Portaria nº 23 SES de 18 de novembro de 1985 – Baixa normas para o registro profissional de vigilante

80

Zootecnista

Lei nº 5.550, de 4 de dezembro de 1968 – Dispõe sobre o exercício da profissão de Zootecnista

Fonte: RFB

Como manter o foco trabalhando em casa?

Todo empreendedor que trabalha em casa, sabe o quanto é difícil se abster de todas as distrações do dia a dia.Por isso vamos te dar cinco dicas para que você consiga produzir mais e otimizar se tempo e assim manter um bom ritmo mesmo trabalhando em casa. Veja:

Tenha foco e não queira fazer muitas coisas ao mesmo tempo

Mesmo que você não possua muito tempo, de nada adianta fazer várias tarefas de uma vez e acabar não concluindo nenhuma. Para as mulheres pode ser um pouco mais difícil, pois instintivamente nos transformamos em um ser multitarefas e isso tem seu lado negativo no home office.

Não queira limpar a casa e estudar ao mesmo tempo, pois não vai dar certo. Ou seja, separe um tempo para dedicar ao seu trabalho e foque sua atenção apenas nisso. Depois você vai poder fazer as outras atividades e claro, uma de cada vez.

Prioridades

Tenha prioridades e saiba o que é mais importante entre todas as tarefas. Caso tenha surgido muitas coisas ao mesmo tempo, dê uma pausa e analise o que é prioritário e coloque em ordem o que será feito primeiro. Não adianta desespero.

Isso vai te dar animo, pois cada vez que você consegue finalizar uma tarefa, você acaba criando mais disposição para terminar as outras.

Não tenha interrupções ou distrações

Pode ser as crianças, o telefone, notificações, Skype, Whatsapp, Facebook, E-mail, etc. Porém entenda que em alguns casos você não tem controle, no caso de alguém de procurar, mas em outros…

Desligue as redes sociais e de mantenha distante do telefone, se for necessário deixe fora do gancho.

Organize seu tempo

Separe o que você precisa fazer em blocos e estipule o tempo necessário para fazer cada um deles e tente seguir o fluxo. Informe às pessoas que moram com você de que vai precisar desse tempo sem interrupções para que consiga fazer todas as tarefas.

Planeje as próximas tarefas

Procure planejar as próximas tarefas sempre no dia anterior e principalmente organize suas prioridades. Existem maneiras bem fáceis de fazer isso. Pode ser anotando tudo de maneira tradicional, em uma agenda ou até mesmo em agenda online que te enviam lembretes do que deve ser feito.

Receita Federal inicia emissão de autos de infração para empresas notificadas por meio do Alerta e que não se autorregularizaram 

A Receita Federal iniciou a emissão dos autos de infração para as empresas que receberam a comunicação, por meio do sistema Alerta, de divergências encontradas entre o total da receita bruta informada no Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional – Declaratório (PGDAS-D) e os valores das notas fiscais eletrônicas (NFe) de vendas emitidas, e que não se autorregularizaram.

Foi construída uma nova ferramenta tecnológica que identifica as divergências, automatiza procedimentos e permite a emissão de grande número de autos de infração de forma rápida e com baixo custo.

As autuações serão realizadas em lotes crescentes de contribuintes.

Os contribuintes autuados estão sendo comunicados por meio do Domicílio Tributário Eletrônico no Portal do Simples Nacional.

Enquanto não receber o auto de infração, o contribuinte ainda pode retificar suas declarações e pagar os valores devidos sem a aplicação da multa de ofício.

Fonte: SECRETARIA-EXECUTIVA DO COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Dicas para quem quer empreender com sucesso

Você tem o sonho de empreender, mas não faz ideia de como começar. Tem medo de se jogar e acabar obtendo prejuízos. Fique tranquilo, pois neste artigo vamos lhe dar algumas dicas de como iniciar e obter sucesso.
Acompanhe:

1 – Guarde dinheiro

Pode parecer clichê, mas guardar dinheiro é o primeiro passo a ser dado. Quando você tem um investimento maior, é possível ter mais liberdade de escolha. Além disso, poderá empreender com mais tranquilidade, caso imagine que algo vá dar errado.

2 – Faça um plano de Negócios

Tenha um planejamento e anote tudo o que considere importante para o andamento do seu negócio. Organize tudo no papel e procure seguir fielmente seu plano de negócios.

3 – Encontre oportunidades

Mesmo que você esteja focado em um nicho de mercado ou em uma área específica, entenda que, no meio do caminho podem surgir outras oportunidades e não há mal nenhum em aproveitá-las.

4 – Estude o seu mercado

Após definir a área em que quer empreender, pesquise para obter todas as informações possíveis para conseguir chegar em seus objetivos, pois quando mais conhecimento tiver, mais as chances de conseguir sucesso em sua caminhada.

5 – Tenha atitude empreendedora

Procure e crie suas próprias oportunidades e tenha persistência quando precisar resolver um problema.

6 – Faça planejamento financeiro

Não adianta você ter a melhor ideia e o investimento se não planejar onde será investido cada centavo. Faça uma planilha e nela coloque todas as despesas para manter seu negócio e busque economia sem perder qualidade no seu produto e/ou serviço.

7 – Conheça seu público

Após definir seu nicho de trabalho, faça pesquisas sobre qual público pretende atender e entenda o que seu cliente quer para que você possa oferecer da melhor maneira possível.

8 – Formalize-se

A melhor maneira de começar um empreendimento é se formalizando, pois isso traz muitos benefícios para seu futuro negócio.

9 – Faça boas parcerias

Busque fornecedores com bons preços e principalmente bons produtos. Isso faz toda diferença na hora de repassar para seu consumidor final.

10 – Aumente sua rede de contatos

Faça contatos constantemente, seja em feiras, convenções ou até mesmo através da internet. O importante é que você tenha uma boa rede de contatos que vão ajudar a divulgar seu negócio.

Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado

Portaria Conjunta dá início ao OEA-Integrado da Anvisa

O secretário Especial da Receita Federal, Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, e o Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, William Dib, assinaram nesta terça-feira, 07 de maio, a portaria que autoriza o planejamento e a execução do projeto-piloto no âmbito do Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA), com o objetivo de desenvolver e testar o módulo complementar OEA-Integrado-Anvisa. O evento foi realizado no Auditório Hélio Pereira Dias, na sede da Anvisa, em Brasília.

Em 2018, a Portaria RFB nº 2384/2017 autorizou a participação de órgãos ou entidades da administração pública que exercem controle sobre operações de comércio exterior no Programa OEA, criando o módulo complementar do OEA-Integrado. Durante este mesmo ano, o módulo foi testado com a Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, e em 30 de outubro foi publicada a Instrução Normativa SDA nº 45 que oficializou o módulo OEA-AGRO.

Além da Anvisa, O Exército Brasileiro e a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) já assinaram portarias aderindo ao programa, em 14 de março e 14 de junho, respectivamente.  Ambos os órgãos estão em estágios avançados de desenvolvimento de seus respectivos módulos complementares.

Desenvolvimento do OEA-Anvisa

Para desenvolvimento dos módulos complementares do OEA-Integrado pelos órgãos e entidades da Administração Pública, a RFB desenvolveu um material específico de orientação, a Cartilha OEA-Integrado.

Neste documento, o desenvolvimento é segmentado em dez passos, conforme figura ao lado, os quais devem ser seguidos pelos interessados para ter sucesso na implementação do módulo OEA-Integrado.

Ao assinar a Portaria Conjunta Inicial, a Anvisa concluiu o Passo 2 do desenvolvimento, sendo a definição do processo a ser integrado e dos benefícios a serem concedidos, os próximos desafios da Agência.

Benefícios

O interessado em se tornar um operador econômico autorizado deve comprovar que cumpre os requisitos e os critérios estabelecidos pela IN RFB nº 1.598/2015 para ser certificado no módulo principal, da Receita Federal. Com a certificação, a eles serão concedidos benefícios que se relacionam com a facilitação dos procedimentos aduaneiros, no país ou no exterior, de acordo com a modalidade de certificação, a função do operador na cadeia logística e o grau de conformidade.

A adesão ao Programa OEA é voluntária e o operador já deve estar certificado no módulo principal da RFB para poder pleitear a certificação OEA-Anvisa, que é um módulo complementar.

O OEA-Anvisa é uma das iniciativas mais aguardadas pelas empresas OEA, pois ele permitirá facilitar, com segurança e controle, os procedimentos de importação dos produtos controlados pela Anvisa, como medicamentos, agrotóxicos, alimentos e cosméticos, além de reduzir os custos operacionais das empresas importadoras, devido à maior previsibilidade de suas operações e otimizar a gestão de recursos humanos nos órgãos e entidades participantes.

Diminuição do custo Brasil

Para o diretor-presidente da Anvisa, William Dib, a agência avançou em um novo modelo de gestão e será possível dar mais esse passo graças à parceria com a Receita Federal. “Com a adesão ao Programa OEA, vamos inserir o país na economia mundial, e isso fará o Brasil ter menores custos e ser mais atrativos para que haja mais e mais investimentos no nosso país e trazendo maior desenvolvimento econômico”, declarou Dib.

Já o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, destacou que a inserção do Brasil no comércio internacional é um dos temas fundamentais neste momento. “Nós estamos muito orgulhosos do Programa, este passo que se dá com o OEA, sem dúvida alguma, é fundamental para inserir o país em um ambiente satisfatório”, concluiu.

Fonte: Receita Federal do Brasil

DITR 2019

Declaração de Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural 2019

Instrução Normativa RFB nº 1.902, publicada hoje no Diário Oficial da União, estabelece as normas e os procedimentos para a apresentação da DITR, informa os critérios de obrigatoriedade, a necessidade do uso de computador na elaboração da declaração e as consequências da apresentação fora do prazo estabelecido, entre outras informações. De acordo com a nova norma, o prazo para a entrega da Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) referente ao exercício de 2019 inicia-se no dia 12 de agosto e se encerra às 23h59min59s (vinte e três horas, cinquenta e nove minutos e cinquenta e nove segundos), horário de Brasília, do dia 30 de setembro de 2019.

Está obrigada a apresentar a declaração a pessoa física ou jurídica, exceto a imune ou isenta, proprietária, titular do domínio útil ou possuidora a qualquer título do imóvel rural. Também está obrigada a pessoa física ou jurídica que, entre 1º de janeiro de 2019 e a data da efetiva apresentação da declaração, perdeu a posse do imóvel rural ou o direito de propriedade pela transferência ou incorporação do imóvel rural ao patrimônio do expropriante. Em 2018 foram entregues 5.661.803 declarações do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural. A expectativa é que, neste ano, sejam entregues 5,7 milhões de declarações.

A DITR deve ser elaborada com uso de computador, por meio do Programa Gerador da Declaração do ITR, disponibilizado na página da Receita Federal (rfb.gov.br). Ela pode ser transmitida pela Internet ou entregue em uma mídia removível nas unidades da Receita Federal.

A multa para quem apresentar a DITR depois do prazo é de 1% (um por cento) ao mês ou fração de atraso, lançada de ofício e calculada sobre o total do imposto devido, não podendo seu valor ser inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais). Se, depois da apresentação da declaração, o contribuinte verificar que cometeu erros ou omitiu informações, deve, antes de iniciado o procedimento de lançamento de ofício, apresentar DITR retificadora, sem a interrupção do pagamento do imposto apurado na declaração original. A DITR retificadora tem a mesma natureza da originariamente apresentada, substituindo-a integralmente. Por isso, a declaração retificadora deve conter todas as informações anteriormente prestadas com as alterações e exclusões necessárias bem como as informações adicionadas, se for o caso.

O valor do imposto pode ser pago em até 4 (quatro) quotas iguais, mensais e sucessivas, sendo que nenhuma quota pode ter valor inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais). O imposto de valor inferior a R$ 100,00 (cem reais) deve ser pago em quota única. A quota única ou a 1ª (primeira) quota deve ser paga até o dia 30 de setembro de 2019, último dia do prazo para a apresentação da DITR.

O imposto pode ser pago mediante transferência eletrônica de fundos por meio de sistemas eletrônicos das instituições financeiras autorizadas pela Receita Federal a operar com essa modalidade de arrecadação ou por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf), em qualquer agência bancária integrante da rede arrecadadora de receitas federais.

Fonte: Receita Federal do Brasil

Como controlar a saúde financeira da minha empresa

Para que você não venha ter dor de cabeças nos balanços financeiros periódicos da sua empresa, ter um bom controle financeiro é mais do que fundamental. Quando você abre o seu negócio, financeiramente falando , o seu objetivo é converter em lucro todas as duas vendas, fazendo com que a sua empresa sempre esteja em superávit financeiro. Mas pra isso, o equilíbrio financeiro é essencial. Acompanhe esse artigo e saiba o quão importante é o controle financeiro para a saúde da sua empresa.

A contabilidade

As suas contas precisam ter posicionamentos diferentes. É claro que parte do lucro de sua empresa passa a ser a sua conta pessoal, o que não significa que as duas podem ser conjuntas. Diferentemente, as duas precisam ser administrada separadamente com foco e planejamento diferente. Assim, por melhor administrador que você venha a ser, precisará imprescindivelmente de uma contabilidade lhe dando suporte.

Você precisará focar na produção e desempenho do serviço da sua empresa e com isso deixar as projeções contábeis na mão do escritório de contabilidade. Já que os balanços é que ditarão o rumo financeiro da sua empresa. Para isso, há um conjunto em relação a projeção de investimentos, que fica sob encargo da contabilidade, e desenvolvimento de um melhor e mais atrativo serviço, dentre de todo projeto organizacional interno etc.

Conte com a ajuda da tecnologia

Além das tradicionais planilhas de excel, que ajudam na inserção de dados para um bom planejamento financeiro, alguns sites e aplicativos podem auxiliar neste processo de controle.

Alguns aplicativos você pode carregar no seu bolso através das versões mobiles que auxiliam no carregamento por meio do seu smartphone e tablet portátil.

O aplicativo “Meu Dinheiro”, além de permitir uma análise geral das financeiras (incluindo gastos com cartão de crédito) ele possui um mecanismo no qual o empreendedor pode inserir objetivos financeiros para o seu negócio a pequeno, médio e curto prazo. Entretanto, quando se trata de aplicativos de controle financeiro o mais completo ainda é o “GuiaBolso”, pois ele é automatizado por ser integrado com financeiras e sistemas bancários.

O “Mobilis” tem a sua versão em aplicativo, mas em site e tem como diferencial o acesso a gráficos que indicam as perspectivas financeiras da sua empresa. Contudo, dá acesso a algumas funções apenas em sua versão premium, onde o empreendedor terá de se desprender financeiramente para possuir. Sistema que possui a mesma forma de trabalhar (gratuita e premium) é o “Contas Online”, sendo muito parecido com o “Mobilis”.

Finalizando os aplicativos, ainda temos o “Minhas Economias”, que possui como grande diferencial o lembrete de algumas contas o “Projetos Financeiros”, para os mais esquecidos ou distraídos com a correria diária do seu negócio.

 Conte com toda ajuda possível para manter a saúde financeira da sua empresa e garantir assim o sucesso do seu negócio.

Porque o MEI deve emitir nota fiscal

Os brasileiros empreendedores sempre trabalharam por conta própria e muitos sem ter formalização. Recentemente, com a criação do MEI, ficou menos burocrático abrir seu próprio negócio e junto a isso existem muitos benefícios.

Com a formalização, é possível adquirir credito para investir na sua empresa, auxílio maternidade, auxílio doença, previdência e emitir notas fiscais. Esta última se torna uma obrigação e deve ser feita com muito cuidado para que não haja nenhum deslize que comprometa a saúde financeira do seu negócio.

É imprescindível saber como emitir as notas fiscais de maneira correta e estando de acordo com seu ramo de atividade e a cidade onde se localiza seu empreendimento.

Mas por que emitir notas fiscais?

A nota fiscal é um documento que registra a entrada e saída das mercadorias ou até mesmo da prestação de um serviço. Isso facilita a vida do vendedor e do consumidor também, além de possuir uma validade jurídica. Emitir as notas se torna um diferencial neste mercado tão competitivo.

Já vimos alguns casos de clientes não fecharem negócio por não terem acesso à nota fiscal, pois de alguma maneira precisam apresentar algum comprovante. Em resumo: não é nada legal perder um negócio por conta disso.

Mas como eu gero as notas fiscais?

Caso você opte pela nota fiscal Avulsa, saiba que ela é vinculada à Secretaria da Fazenda e primeiramente será necessário fazer uma solicitação e após isso órgão responsável em sua cidade. Mas existe outra opção que é a retirada das notas de maneira online, mas não é disponível para todos os estados. Nestes casos, você emite a Nota Fiscal Eletrônica através de programas gerenciadores e pode acessá-los através de um certificado digital ou por uma senha de acesso.
O login e senha são adquiridos através da Secretária da Fazenda de maneira gratuita e basta apenas fazer um cadastramento e aguardar.

Como utilizar o Instagram e aumentar a visibilidade da minha empresa

Grandes marcas tem utilizado o Instagram para criar suas campanhas . Isso acontece pois ela tem sido a rede social mais utilizada mundialmente. Temos visto diariamente várias ações de marketing na rede e que traz resultados muito satisfatórios.

As redes sociais são imprescindíveis nas estratégias de marketing, pois os clientes gostam de manter uma interação social antes de finalizar uma compra e por isso, a maneira como você as utiliza pode fazer toda diferença.

Através deste artigo, você terá algumas dicas, principalmente para as  pequenas empresas de como usar o Instagram com eficiência e atrair compradores para seu produto. Um fato interessante é que o mais importante nesta rede é o engajamento, pois muitos influenciadores chegam a desbancar grandes marcas.

Hoje em dia, existem mais de um bilhão de usuários, ou seja, sua rede de contatos pode se tornar muito grande e sua marca ficar conhecida com mais facilidade. Veja:

Fique atento ao algoritmo do Instagram

Assim que você começar suas postagens, o algoritmo ficará atento ao engajamento do seu público com o seu perfil. Quando alguém clica na sua postagem, mas sai logo dela, fica claro que não é tão relevante. O contrário acontece quando você recebe comentários em sua publicação, pois isso demonstra que as pessoas estão lendo e dando atenção à publicação e isso a torna relevante.

Use hashtags

Elas não existem apenas para enfeitar uma publicação. Na verdade elas servem para aumentar a visualização da sua postagem, pois através das hashtags o seu conteúdo pode ser visto na aba “explorar”. O Instagram une pessoas que tem os mesmos interesses e acaba criando conexões entre os temas.

Convide as pessoas a comentar ou compartilhar seu conteúdo

Incentivar o engajamento é um grande passo para visualização da sua marca. Ao publicar algo, chame as pessoas para conhecer mais conteúdos seus, compartilhar, comentar e de alguma maneira interagir com seu perfil. Mas não esqueça de responder, pois isso só vai deixar a imagem da sua marca mais interessante aos olhos do público.

Seguindo nossas dicas, as chances de sucesso aumentam exponencialmente. Veja cada uma com muita atenção e coloque em prática.

Qual é a importância de um escritório contábil para a sua empresa?

Atualmente é bastante recorrente as regras tributárias e fiscais serem alteradas no Brasil. Por conta disso, o empresário necessita imprescindivelmente trabalhar com um escritório contábil, e esse, por sua vez, fazer o acompanhamento de todo processo, bem como orientar o empreendedor aos melhores meios de agir em casos específicos. Assim, o dono do negócio focará apenas na finalidade das suas atividades.

Afinal de contas, qual a função de uma contabilidade?

Uma boa contabilidade precisa estar sempre atualizada e, assim, deixar o empresário ciente de tudo o que for relevante acerca dos aspectos financeiros da sua empresa. Podemos dizer que essa área é a única que tem domínio quanto as informações numéricas e quanto a resultados, em sua maioria de micro e pequenas empresas.

O Sistema Público de Escrituração Digital, o SPED, fez com que o escritório contábil passasse a ser algo extremamente fundamental para que seja cumprida a atual obrigação de acesso exigida pela Receita Federal. No compasso do tempo, o Sistema Público de Escrituração Digital tornar-se-á um meio digitalizado completamente viável para que a empresa, através do escritório contábil, tome decisões concernentes a ela. Fora, obviamente, do controle da Receita em relação aos empreendimentos em questão.

O escritório contábil, através disso, deixa de apenas apurar os impostos e torna-se um assessor do ramo de contabilidade para a empresa. Esse método adiciona um poderio de sucesso prático para o negócio, através das suas ações. Entretanto, independentemente de mais uma automatização do processo, o recurso humano sempre estará na frente, tomando decisões, interpretando situações etc, com isso, se faz necessário um escritório contábil para as empresas.

Pressuposto a isso, as ações desempenhadas pelo escritório contábil promove colocar em prática conhecimentos adquiridos previamente, bem como, a elevação de conhecimento no que se refere a formas de gestão. O escritório contábil somará, no quesito conteudista, valores para inúmeros setores internos da empresa.

Qual o perfil ideal de um escritório contábil

Atualmente, o mundo das empresas preza muito por um serviço eficiente por meio de um serviço organizado e conteudista, além de procedimentos bem específicos deste modo é importante uma base de elementos sólido dentro do escritório contábil que tem a necessidade da constante atualização de tal mercado.

Esse escritório precisa saber muito bem aonde precisa atuar, essa consciência é adicionada a compreensão da parte interna do setor contábil do empreendimento e soma aos conteúdos da empresa. É através dessas ações que se constrói o perfil do escritório contábil.

O posicionamento de uma marca através das redes sociais

O grande público costuma ficar muito ligado nas redes sociais e por isso utilizá-las para divulgar o seu empreendimento pode ser uma ótima ideia. O Instagram tem sido a rede social que mais cresce, conta com cerca de um bilhão de usuários e não para de crescer. Além disso, há também o Facebook que tem uma média de dois bilhões de usuários.

Tendo acesso a esses números, fica mais fácil mensurar quantos anúncios são feitos por dia e quantas informações e conteúdos são disponibilizados para o grande público. É nesse ponto que nos perguntamos: com uma concorrência tão grande nas redes, o que faz a sua marca se sair melhor? O posicionamento da sua marca.

As pessoas tem consumido produtos e serviços com mais facilidade através da internet e por isso, muitas empresas tem buscado a criação de perfis comerciais, principalmente no Instagram, para alcançar um engajamento e também para usufruir de outros recursos disponíveis.

Existem algumas empresas que já possuem um bom reconhecimento por parte do público. Nesses casos, quando ela cria seu perfil em alguma rede, conquistar um grande número de seguidores se torna fácil. Dessa forma, fica mais fácil vender e consequentemente o faturamento aumenta.

Sabemos que para aqueles que estão iniciando seu negócio ou já começaram, mas são pequenos empreendedores, as coisas podem ser mais difíceis. Isso acontece porque essas marcas precisam ser construídas do zero e é aí que se torna necessário buscar conteúdo de qualidade e relevante para conseguir um bom posicionamento.

Mas como atrair o público e conquistar mais seguidores?

O primeiro passo é ter certeza do seu nicho escolhido e estimular sua audiência a comprar a sua ideia. Escolher o nicho correto envolve algumas questões que não são difíceis de se resolver: Você gosta do nicho escolhido e tem conhecimento necessário sobre ele? Se respondeu sim a essas duas perguntas, você já está pronto para começar a posicionar a sua marca no mercado.

O que é Lucro Real e a importância deste regime tributário para sua empresa

Considerado o regime tributário mais utilizado pelas empresas nacionais, o Lucro Real tem inúmeras vantagens, porém muitos empreendedores tem dúvidas sobre seu funcionamento e como ele se encaixa em cada negócio. Todas essas dúvidas são muito comuns, pois a escolha do regime tributário pode influenciar positiva e negativamente o andamento de sua empresa, além de impactar seu lucro final.Pensando nisso, trouxemos um artigo com muitas informações sobre o tema.

Mas o que é o Lucro Real?

Trata-se de um regime tributário que ajuda a calcular a contribuição do IRPJ e da CSLL. Normalmente, quando um negócio não se encaixa em nenhuma das exceções ou permissões dos outros regimes, torna-se obrigatório optar pelo Lucro Real.

Em resumo, no caso de Lucro Real, a tributação é calculada de acordo com o lucro líquido que a empresa obteve em determinado período de apuração.

Quais empresas podem optar por ele?

Resumidamente, este regime serve para todas as empresas que não se encaixam no Simples Nacional e nem no Lucro Presumido. Mas esta decisão deve ser baseada com muito conhecimento para não fazer a escolha errada. Por isso o empreendedor deve conhecer bem o seu negócio. Obrigatoriamente, empresas que possuem um faturamento acima de 78 milhões devem escolher este regime, isso acontece desde 2013.

Empresas do setor financeiro também tem a necessidade de optar pelo Lucro Real. Outros exemplos de negócios que precisam optar pelo regime são aquelas que obtiveram lucro ou qualquer outro tipo de rendimento oriundos do exterior, empresas que exerçam a atividade de factoring ou empresas que possuam qualquer beneficio fiscal, sendo eles isenção ou redução de impostos.

Mas afinal, qual a diferença entre o Lucro Real e os outros Regimes?

Com estas informações, você já entende um pouco sobre como funciona o Lucro Real, então vamos falar sobre o Lucro Presumido. Como o próprio nome diz, o Lucro Presumido é estipulado em cima de um valor e sobre ele incidem as alíquotas. Isso pode ser considerada uma vantagem, pois no fim este valor pode acabar sendo menor do que o lucro obtido pela empresa.

Entre todos os regimes, o Simples Nacional é mais fácil de entender e de lidar. Ele existe para facilitar a arrecadação de Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP). O pagamento dos tributos se faz por uma única guia que é chamada de DAS.

Características essenciais que um empreendedor deve ter

Empreender é difícil e todo mundo sabe. Cada empreendedor tem um jeito de trabalhar e de planejar seu próprio negócio, mas existem algumas questões que devem ser iguais para todos, principalmente quando falamos de empreendedorismo.

Em momentos de crise, o empresário tem sempre que buscar se reinventar e buscar novos conhecimentos, porém existem alguns pontos que não mudam e que são cruciais para o sucesso de uma empresa.

Neste artigo, vamos trazer algumas das características cruciais que um empreendedor deve ter para que seu negócio obtenha sucesso e não feche as portas precocemente.

Acompanhe conosco:

Auto confiança

Durante o percurso de empreender, você terá inúmeras incertezas e medos, mas se tiver auto confiança os problemas diminuirão e muito.

Perseverança

Não desista com o primeiro não, pois isso acontecerá muitas vezes no seu caminho. Existem inúmeros casos de empreendedores que alcançaram o devido sucesso após muitos fracassos e muitas desilusões, mas todos serviram como inspiração.

Correr riscos

Arriscar-se faz parte da rotina de um empreendedor, mas não confunda com correr perigo. Para se arriscar é necessário que você tenha uma boa base de informações e isso é o que difere de colocar seu empreendimento em perigo.

Planejamento

Um bom empreendedor tem plena consciência que se não fizer um planejamento com cuidado, pode colocar tudo a perder.
Pesquisar e colocar tudo no papel antes de qualquer atitude é crucial para que as coisas funcionem da maneira correta.

Qualidade

O empreendedor de sucesso sabe que a qualidade de seu produto/serviço é um dos pontos mais importantes para garantir o sucesso da sua empresa.

Liderança

A liderança deve vir sempre do empreendedor e ser um bom líder faz toda diferença. Além disso, o ideal é sempre dar um feedback para os colaboradores do seu negócio, isso traz motivação e contribui com o crescimento do empreendimento.

Contatos

Procure participar de feiras, workshops, reuniões, pois isso trará, além de obter mais conhecimento, além disso, você construirá uma rede de amizades que vai ajudar e muito com as parcerias de negócios.

Saiba como abrir uma empresa

Abrir uma empresa é o desejo de muitos brasileiros e se esse é o seu também, acompanhe esse artigo, pois te daremos dicas de como fazê-los.

Porém antes de falarmos sobre isto, é importante que o futuro empreendedor saiba em que regime irá enquadrar sua empresa. Esta escolha terá ligação direta com o tamanho da empresa e, consequentemente, o seu ganho e o valor de impostos e tributos que serão pagos ao governo.

Esses regimes variam exatamente entre o empreendedor individual, o microempreendedor e o empreendedor de pequeno porte e serão definidas devido ao tipo societário da empresa, se o empreendedor será o responsável individual do negócio ou o terá em sociedade. Sendo individual, ele tem a opção da divisão de bens pessoais e jurídicos, caso opte por ter uma Empresa Individual de Responsabilidade Limitada.

Além disso, é importante definir o local, que pode ser impedido pelo Município dependendo da atividade e/ou o porte da empresa, e o regime tributário, ou seja, conjuntos de regulamentações a respeito de impostos e definem situações como a de imposto de renda e contribuição social sobre lucro líquido.

Com essas questões podemos abordar as etapas inciais para que o novo empreendedor incie o processo de abertura da sua empresa , independentemente do porte ou variação societária.

Burocracia

Um fator importante é que quem vá abrir o seu negócio saiba que a prefeitura pode vetar a realização em determinados endereços, como antecipamos no início do texto. E isso depende do tipo negócio que for aberto. Por isso, antes da empresa ser aberta é fundamental que você tenha em mãos os documentos do imóvel.

Para começar, é fundamental que o IPTU esteja em mãos, entretanto,outro documento importante é a certidão de utilização de solo. Antes de contratar o aluguel do estabelecimento, é recomendado que você sempre tenha tal certidão. Dependendo da localidade e atividade, a prefeitura poe vetar uma ME, mas autorizar uma MEI, por exemplo.

Os ganhos do seu empreendimento pode variar dependendo do porte e atividade da sua empresa, bem como a quantia de impostos pago.
O MEI é o único que pode ter sua abertura feita sem a obrigatoriedade de contador, já que basta o futuro empreendedor entrar no “Portal do Empreendedor”, que abrirá a sua microempresa, tendo o seu CNJ. Com 5% sobre o salário mínimo, a taxa de tributo do MEI é a menor entre MEI, ME e EPP . Por outro lado, o MEI é o que tem o teto de recebimento menor, com R$ 81 mil anual.
Os regimes MEs e EPPS passam pelas opções de Lucro Nacional, Lucro Presumido e Simples Nacional em seu processo de tributação. Mesmo fixo, o valor varia de 4 e 5% em relação ao ganho da empresa.

Existe uma diferença entre Lucro Presumido e o Simples Nacional é que no LP o governo pressupõe o lucro da empresa na cobrança de impostos, sendo calculados e pagos separadamente, diferentemente do Simples Nacional.

Estratégia e motivação vindas através dos jogos

Para muitos, os jogos são apenas uma distração, mas e se nós dissermos que são muito mais do que isso e podem te ajudar no seu negócio? Aqui em nosso blog, nós já demos dicas de filmes e de livros que ajudam os empreendedores com dicas e até mesmo serve de motivação para não deixar o desânimo atrapalhar.Não importa se é um jogo de tabuleiro, um game ou um jogo de computador, o mais importante é o que ele oferece e como ele pode te ajudar.

Com o jogo certo é possível aflorar a criatividade e habilidades estratégicas para o dia a dia do empresário. Veja:

Banco Imobiliário

Este é um clássico de inúmeras gerações e já foi jogado por muitas famílias. Trata-se de um jogo de estratégia e que foi criado em 1930 e tornou-se um dos jogos de tabuleiro mais antigos do mundo.
A cada rodada, o jogador precisa tomar decisões sobre as economias que possui e deve tomar cuidado para não ir a falência. Neste caso a visão estratégica é crucial para ganhar mais dinheiro que todos os outros competidores e garantir a vitória.

Jogo da Vida

O Jogo da Vida é um jogo de tabuleiro e é um clássico de muitas gerações e de muitas famílias, além de ser muito divertido. Você joga com um “personagem” que durante o jogo deve ter tomar uma série de decisões que podem influenciar positiva ou negativamente o resultado final. De acordo com as suas escolhas você poderá ser campeão ou decretar falência. Uma ótima fonte de aprendizado.

Sim City

Este é um jogo relativamente antigo, pois foi criado em 1989 e feito para jogar em computador. O objetivo dele é controlar uma cidade, construindo áreas empresariais e residenciais. O jogador trabalha como prefeito da cidade e deve administrá-la bem para que a mesma não vá a falência. Ter visão estratégica é crucial para se dar bem neste jogo.

As parcerias certas podem alavancar sua empresa

A taxa de sobrevivência de novas empresas em nosso país é muito pequena. Muitas empresas acabam fechando as portas com pouco tempo de vida. Algumas com menos de cinco anos e outras até mesmo com menos de um ano. Alguns fatores acabam colaborando com esta situação: a burocracia exagerada do nosso país, a instabilidade econômica e falta de oportunidade de conseguir investimentos, etc. Mas a realidade é que existem outros fatores que comprometem o sucesso de um novo negócio. Devemos lembrar que os problemas não ficam apenas nestes aspectos, os empreendedores também tem culpa, principalmente quando não se planejam antes de empreender.

Abrir uma empresa exige muita paciência, estudo e disciplina, mas além disso, o empreendedor deve ter consciência do que funciona ou não no seu negócio. Se o empreendedor tiver assertividade na escolha de suas parcerias empresariais, as chances de sucesso aumentam consideravelmente.

Em nossa educação formal não somos preparados para empreender. Acabamos aprendendo “na raça” e por mais que existam conteúdos diversos na rede, eles ainda não são suficientes para que nós possamos saber como escolher nossas parcerias.

Mas para ajudar, vamos falar sobre três tipos de parcerias que são indispensáveis para quem está começando e até mesmo para quem já tem anos de estrada.

Marketing Digital

Atualmente o Marketing Digital tem sido um dos assuntos mais comentados no mundo empresarial. Ter conteúdo relevante produzido e vinculado ao seu negócio é crucial para que o nome da sua empresa seja mais conhecido. Uma estratégia bem estruturada é capaz de levantar qualquer empresa.

Serviços Jurídicos

É indispensável contar com uma boa assessoria jurídica em sua empresa, antes, durante e depois da abertura de sua empresa. Lembre-se que ao abrir um negócio você precisará fazer contratos com fornecedores, clientes e até mesmo parceiros e qualquer erro pode ser fatal.

Contabilidade

Contratar uma assessoria contábil eficiente faz toda diferença pra quem quer empreender. No inicio você vai lidar com alvarás, licenças, contratos e muitos outros documentos que com a ajuda de uma contabilidade ficam muito mais fáceis de lidar.

Com esses três pilares, as chances de seu negócio deslanchar é enorme e por isso vale a pena investir e, a médio e longo prazo, garantir o sucesso de sua empresa.

Mudanças para quem é MEI com a Reforma da Previdência

O assunto do momento é a Reforma da Previdência e quem trabalha como Microempreendedor Individual deve ficar de olho nas mudanças trazidas por ela. Trabalhar como MEI tem sido uma das melhores opções para quem inicia um empreendimento e quer estar com sua situação regularizada. Isso acontece porque a burocracia para o MEI é menor em comparação com outras categorias. Grande parte dos empreendedores estão preocupados, pois não sabem muito bem o que muda e o que continua igual e pensando nisso resolvemos elucidar e apontar o que muda e o que continua igual. Acompanhe:

Pagamento ao INSS

Nos dias atuais o MEI tem a obrigação de pagar 5% em cima do salário mínimo ao INSS, além das taxas referentes as taxas de ISS e ICMS que podem ser de aproximadamente R$6 cada e isso dependendo do ramo de atividade. Com a provável aprovação da Reforma, os valores continuarão iguais, variando apenas conforme reajustes do salário mínimo.

Tempo de Contribuição

No caso de pedidos de aposentadoria, os microempreendedores deverão atingir a idade mínima indicada pela Nova Previdência. Neste caso seriam 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres, tendo em vista 20 anos, pelo menos, de contribuição. Se não existir outra contribuição do MEI, o valor de aposentadoria, mensal, será equivalente a um salário mínimo.

Pensão por morte

Para os casos de pensão por morte, de acordo com a Nova Previdência, o beneficiário teria assegurado ma pensão por morte com o pagamento previsto em 50% da aposentadoria do segurado mais 10% por dependente, mas com um limite de até 100%. O valor referente ao dependente que não tem mais direito à pensão não poderá ser revertido a outros dependentes. Outro detalhe é que há um restrição no que diz respeito a acumulo de pensão deixado pelo cônjuge.

Pensão por invalidez

No caso de pensão por invalidez, fica definido que o mesmo só terá direito ao valor integral caso o motivo para aposentadoria seja por acidente de trabalho ou doença causada por ele.

As obrigações que todo MEI tem

Formalizar-se traz muitos benefícios para qualquer empreendedor. Quando se tem um CNPJ abrem-se muitas portas que, inclusive, colaboram para o crescimento do seu negócio. O empreendedor pode pegar um empréstimo, emitir notas fiscais, além de ter direito a auxílio-maternidade, auxílio-doença e auxílio-aposentadoria, pois como MEI você acaba contribuindo com a previdência. Mas como em qualquer situação, existem os direitos e os deveres e vamos falar agora sobre quais obrigações o MEI tem.

Pagar tributos sobre o salário de um funcionário

Caso você tenha um funcionário, saiba que você deverá contribuir com os impostos vinculados as leis trabalhistas. Esses valores são:

  • 3% sobre o salário para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social)
  • 8% de FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Pagamento mensal de DAS MEI

O Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) é uma das maiores obrigações de um MEI. Através do Portal do MEI você acessa uma guia mensal que tem como o valor uma variável de acordo com seu ramo de atividade e tipo de ocupação.

Declaração Anual Simplificada

Essa declaração é o Imposto de Renda dos MEI’s. Anualmente você preenche este documento, onde coloca dados da sua Receita e tem como prazo o dia 30 de maio para entrega.

Relatório de receitas

Mensalmente você deve preencher um relatório de sua Receita bruta e anexar notas fiscais emitidas. Esse relatório vai te ajudar, principalmente, quando você precisar emitir a Declaração de Imposto de Renda para MEI.

Nota Fiscal

Sempre que suas transações forem com outra Pessoa você deve emitir Nota Fiscal. Caso uma Pessoa Física peça, você obrigatoriamente deve fornecer a nota.

Alvará de funcionamento

Lembre-se que após definir a localização de sua empresa, o ideal é que você vá trás de um alvará de funcionamento. Esta parte é definida de acordo com cada cidade, sendo assim o ideal é que o MEI se informe nos órgãos públicos do seu município.

Dicas pra você começar seu negócio com o pé direito

Arriscar-se no empreendedorismo não é fácil, mas é algo que vale a pena, principalmente se for feito com dedicação. Existem as dificuldades, é claro, mas tudo que é feito com planejamento e organização, acaba dando certo.
No Brasil é mais complicado empreender, principalmente, por conta dos impostos e da burocracia que acaba dificultando e muito a vida de quem deseja abrir seu próprio negócio. Mas não estamos dizendo isso com a intenção de desanimar ninguém, muito pelo contrário. Vamos passar quatro dicas valiosas que podem te ajudar em busca do sonho de trabalhar para si mesmo.

Aprenda a negociar

Essa dica vale nas negociações com seus clientes e também com seus fornecedores.
Com seus clientes você vai negociar no momento em que seu preço for questionado. Você terá que provar que seu produto/serviço vale o que está cobrando.
No caso dos seus fornecedores, aprender a negociar vai fazer muita diferença na hora de economizar e aumentar assim sua lucratividade.

Controle seu estoque

Mantenha seu estoque organizado independente se é físico ou digital. Lembre-se que se você vendeu algo, você precisa entregar para o seu cliente e por isso é imprescindível que você tenha controle das quantidades do seu estoque. Um erro pode por todo seu negócio a perder e sua credibilidade também.

Mantenha comunicação ativa

Manter seus clientes a par das novidades é fundamental. Se possível, contrate um serviço de disparo de e-mails que vai fazer com que eles não esqueçam a sua marca. Mas nada de spam!O melhor é que você mande conteúdo relevante e interessante.

Use sua criatividade

A criatividade pode e deve ser um ponto forte da sua empresa. Use e abuse dela para criar propagandas e levar o nome de sua empresa para frente. Soluções criativas são decisivas para o sucesso de um negócio.

Para finalizar uma última dica: procure a ajuda de um escritório contábil para te ajudar com as questões burocráticas. Assim você poderá colocar todas as dicas acima em prática com mais tempo e tranquilidade.

Não entreguei minha declaração de MEI. O que fazer?

O prazo para entrega da Declaração de MEI encerrou-se na última sexta-feira, dia 31 de maio de 2019. Esta declaração é referente ao ano anterior e é obrigatória a todos os Microempreendedores Individuais. Caso você tenha perdido o prazo ou até mesmo tenha declarado com algum erro, acompanhe nosso artigo e se informe sobre o que fazer.

Mas o que deve conter nesta declaração?

Se você mantém suas finanças organizadas fica mais fácil ainda, até porque a declaração não é um bicho de sete cabeças. Para fazer a declaração basta acessar o site DASN-SIMEI junto ao portal da Receita Federal e informar seus rendimentos através do seu CNPJ. Para facilitar sua vida, mantenha relatórios mensais dos seus ganhos para que ao fim do ano você já tenha as informações necessárias para declarar.

Não entreguei minha declaração dentro do prazo. O que faço?

Se você perdeu o prazo para entrega, saiba que isso pode ser corrigido muito facilmente. Através do Portal do Empreendedor, dentro do site da Receita Federal, você tem a oportunidade de entregar a declaração mesmo fora do prazo. Porém, isso vai gerar uma multa que pode ser de até R$ 50,00 ou de 2% ao mês em cima valor total dos tributos declarados.

Entreguei no prazo, porém com erros. E agora?

Você se esforçou, correu e entregou dentro do prazo. Ufa! Mas depois acabou percebendo que algumas informações estavam erradas? Calma! Há solução!
Existe a possibilidade de retificar a declaração através do Portal do Empreendedor. Com os seus dados você acessa o Portal do Empreendedor e corrige as informações sem nenhuma cobrança extra, porém isso pode ser feito até no máximo cinco anos passados.

Formalizar-se como MEI é algo que tem acontecido com muita frequência, pois sair da informalidade tem muitos benefícios aos empreendedores. Mas lembre-se que quanto mais informações você tiver, mais chances de obter sucesso você tem. O ideal é que você contrate uma assessoria contábil que possa te auxiliar e permitir que você foque suas energias no seu negócio.

Chegou a hora de aproveitar ao máximo os serviços contábeis para sua empresa

Para empreender não basta apenas uma boa ideia e um bom investimento. Para garantir o sucesso é necessário muito planejamento, não apenas no inicio, mas durante todo o processo de abertura de sua empresa.

Um fato importante é que ao contar com serviços contábeis de qualidade, você vai avançar muitos passos em sua caminhada. O ideal é que você extraia o máximo dessa experiência e faça valer o seu investimento.

Vamos passar algumas dicas de como fazer isso e se dar bem.

1. A tecnologia 

Trabalhar com tecnologia deixou de ser diferencial dos serviços contábeis no desenvolvimento das empresas, mas, sim, passou a ser fator estratégico, isso porque já estamos na era pós digital. Mas sabemos que a tecnologia substituirá o fator humano e os serviços contábeis, mas, sim, ela veio para ser uma mão na roda, dinamizando os processos, trazendo a rapidez necessária no contexto de empresas.

Mas saiba que apenas ter ótimos equipamentos não é suficiente e por melhor que seja estar antenado às novas tecnologias, deve se ter cuidado para não achar que isto basta. No fim das contas, até mesmo as empresas que não são de tecnologia, necessitam desses recursos para o seu desempenho empresarial.

2. Novas ameaças

A tecnologia não trouxe apenas coisas boas. Se antes as grandes ameaças das empresas eram os concorrentes tradicionais da sua marca, hoje elas vão além.

Justamente devido ao mercado tecnológico, hoje as empresas estar de olho nas inovações tecnológicas, entrando, também nesse caso o fator serviços contábeis.

Um grande exemplo de inovação tecnológica que tem movimentado o mercado, por exemplo, é a Uber. Enquanto estávamos acostumados com os serviços de transporte tradicionais, os táxis, o aplicativo, sem ao menos ter um único carro, transformou-se na maior frota de serviços de transporte particular do mundo.

.

3. Seja o protagonista do seu segmento

Procure ser um especialista na sua área e continue sempre buscando conhecimento. Além disso, os serviços contábeis são fundamentais para que você entenda como está o mercado e crie as suas estratégias dentro das conformidades, estando sempre um passo à frente da sua concorrência, seja ela qual for, imune as surpresas e sendo o protagonista do seu segmento de mercado.

Livros para inspirar e motivar todo empreendedor

Buscar inspiração para empreender é extremamente interessante. Seja em um filme, em uma história de sucesso e porque não dizer em livros?

Seja uma ficção, um livro de auto ajuda ou até mesmo uma biografia, os livros tem o poder de motivar e trazer um frescor em seus leitores.
Por isso vamos listar alguns títulos que caem muito bem a quem está iniciando no mundo dos negócios e quer abrir seu próprio negócio. 
Como sabemos, conhecimento é fundamental em qualquer área da nossa vida.

Vamos à lista:

Os Mandamentos da Lucratividade

Lucro é ponto importantíssimo em qualquer pauta voltada ao empreendedorismo. O livro é uma história de superação muito inspiradora sobre como ter foco e superar as dificuldades.

Startup: manual do empreendedor

Os autores explicam que a mensagem deste livro é mostrar que de nada adianta uma ideia incrível se ela não sair do papel. A execução é sempre a parte mais importante de um negócio. Eles apresentam um guia completo e passo a passo para que você possa dar sequência às suas ideias.

Quem Disse Que Elefantes Não Dançam?

O livro fala sobre erros, medos e acertos na gestão de startups. Poucas histórias falam abertamente sobre a possibilidade de fracassar e como retomar as rédeas da situação após isso. Este título é um exemplo positivo disto.

Seja foda

Apesar do palavrão no título, este livro é muito interessante em vários aspectos e serve para muitas situações na vida. Ele fala, principalmente, sobre sempre tentar ser melhor em algo que esteja fazendo, ou seja, tentar sempre superar a si mesmo. Tem muita relevância para aqueles que estão com medo de dar os primeiros passos.

 Coloque a leitura em dia e quem sabe não é o que falta para que você deixe suas ideias em ordem e faça sucesso com seu empreendimento.

Transforme suas ideias em um negócio de sucesso

Você pensa todos os dias em ter seu próprio negócio, mas não consegue dar os primeiros passos? Algo te impede de ir adiante e seu sonho vai ficando cada vez mais distante? Fique tranquilo, pois você não é o único.
Vamos discutir maneiras de como tirar sua ideia do papel e transformá-la em realidade.

Para a grande maioria dos empreendedores, criar um plano de negócios é algo difícil, além de ser a parte menos divertida. Mas lembre-se que esta é uma das partes mais importantes e que pode dar a estrutura que você precisa para obter sucesso.

Para facilitar sua vida, você pode começar fazendo alguns rabiscos com ideias básicas do que pretende fazer e com o tempo vá aprimorando e transformando em um planejamento eficiente. Além disso, é uma maneira eficiente de ir organizando as ideias.

1 – Conheça os requisitos para começar

Procure saber quais são as licenças e alvarás necessários para iniciar seu negócio. Caso seja algo no ramo alimentício, saiba que existem licenças e documentos específicos. Por isso é importante saber o que é preciso para não ter prejuízos depois. Cada atividade possui regras específicas e por isso é bom estar bem informado.

2 – Identifique seu público

Evidencie quem é o seu público e quem você pretende atingir com seu produto/serviço. Faça um levantamento de quem serão as pessoas atingidas pelo seu projeto e volte o seu marketing para elas.

3 – Controle de gastos e prazos

Saiba quanto tempo e dinheiro vai ser necessário para conseguir todos os documentos e faça um cronograma. Um planejamento bem feito é imprescindível para organização dos primeiros passos para abertura de uma empresa. Isto vai lhe poupar tempo.

4 – Planeje todas as atividades

É normal se perder um pouco no início, mas adote uma agenda e coloque nela todas as atividades a serem concluídas. De preferência coloque em ordem cronológica.

5 – Planejamento financeiro

Esse é o ponto chave de qualquer negócio. Mesmo que você tenha pouco dinheiro para investir, o ideal é que você saiba exatamente onde vai gastar cada centavo de seu investimento. Eviste gastos desnecessários.

6 – Fique de olho na qualidade

Não importa se você vai oferecer um produto ou um serviço, independente de qualquer coisa, ele deve ter qualidade acima de tudo. Se você oferecer algo ruim, vai ficar marcado logo no começo e isso vai te fazer perder clientela.

Por último, seja otimista, mas não deixe de ser realista. Com um bom planejamento você será capaz de abrir sua empresa e conquistar seu espaço.

Gestão contábil e o crescimento de sua empresa

Crescer a uma velocidade muito rápida pode ser prejudicial a sua empresa se não for acompanhada de uma boa gestão contábil. Com isso, confira inicialmente os três passos que podem evitar com que o crescimento, que é algo bom, seja uma pedra no sapato e lhe traga problemas.

Pense a longo prazo e decida o que você quer realizar num período determinado de tempo. É bom que a sua empresa tenha perspectiva de futuro realista, conforme o processo de gestão contábil, dentro dos dias, meses e anos por vir. Com isso, a sua empresa pode ir em direção ao crescimento de forma gradativa.

Trace objetivos estratégicos, pois o ideal é que seja feito semestralmente dentro dos pilares: corporativo, financeiro, tecnológico/operacional e mercadológico. Essa balança mantém internamente a informação das prioridades da empresa.
Possua uma planilha de gastos (entradas e saída) de determinado período que, por meio da gestão contábil, servirá de apoio para as perspectivas orçamentárias do ano seguinte. A conclusão do estudo do orçamento auxilia no controle de esforços da empresa de como e com o que investir prioritariamente. O que há em falta e o que há em excesso, gerando controle na gestão contábil.

Licencie seu produto e de forma bastante efetiva e barata para que você promova a expansão da sua empresa. O licenciamento aponta-se como algo avesso ao sistema de franquia (o que não quer dizer que o sistema de franquia não valha a pena, mas a licença do seu produto posiciona-se como alternativa, caso esse não seja o seu desejo ou você não encontre empresários para franquear).
O sistema de licenciamento é bastante recomendado por especialistas financeiros, que entendem que essa ação é importante quando se tem uma empresa já consolidada.

Por fim, citamos algo que é fundamental nos dias atuais, a presença no mundo digital. Você pode expandir o seu negócio, sem precisar abrir franquias ou criar filiais, mas, sim, expandindo o seu negócio dentro do universo e-commerce, disponibilizando os seus produtos e serviços através da internet.

O mundo digital ajuda sua empresa a quebrar barreiras.

Assessoria Contábil e o planejamento estratégico ideal para seu negócio

Para obter sucesso é imprescindível um bom planejamento empresarial, pois isso vai lhe ajudar a deixar a casa em ordem. Normalmente este planejamento é feito no início do ano, porém nunca é tarde para começar.

Para tomar atitudes e decisões com mais segurança, que tal pensar e analisar todas as perspectivas de seu negócio e evitar agir impulsivamente. Por isso a importância de ter uma assessoria contábil dando o suporte e ajudando na condição estratégica das suas diretrizes empresariais.

Todas as empresas precisam, então, ter a assessoria contábil para possuir a antevisão necessária para que o ano que vai entrar seja de sucesso em todas as ações e, consequentemente, sucesso financeiro. E convenhamos, a saúde financeira de sua empresa é dos principais pontos que fazer o negócio girar e funcionar.

Para que a empresa venha ter total sucesso é bom fazer uma boa leitura das ações positivas e negativas com o ano que passou, comparação com anos anteriores, leitura de mercado, tendências, análises de concorrência, enfim.
Para isso, existem três tipos de planejamento que cabem a assessoria contábil ter como ciência.

Planejamento estratégico

É considerado um planejamento a longo prazo através da esfera operacional. Necessita da assessoria contábil pelo acesso à base de informações, definindo a estrutura de produção e o modelo de vendas da empresa dentro de um período. Faz parte do traçado que a empresa precisa para colocar as suas ações em prática.

Planejamento operacional

O planejamento operacional é diferente do planejamento estratégico, porque ele é a curto prazo. O planejamento operacional faz uma perspectiva do momento em que a empresa se encontra com estratégias que funcionaram em outros momentos da empresa.

Planejamento tático

É voltado para a parte de maquinas e materiais que interferem diretamente no processo de produção de uma empresa e que, de alguma forma, necessita de aporte financeiro. Dispõe-se diretamente na cobertura de ações práticas. Como orçamento direto de materiais de maquinários e de fornecimento que gerem algum investimento financeiro.

Chegamos a conclusão que, independentemente do planejamento, todos, de uma forma outra, interferem diretamente na estratégia e nada melhor que uma assessoria contábil para trazer uma visão estratégica para a empresa.

Inspire-se em empreender com esses cinco filmes

Quando decidimos empreender, buscamos inspiração de inúmeras maneiras, seja lendo revista de negócios, livros, artigos, histórias de sucesso, entre outros. Mas que tal buscar inspiração de uma maneira mais divertida e que você possa fazer comendo um balde de pipoca?
O cinema mundial tem retratado desde sempre várias histórias de empreendedorismo sejam elas baseadas em fatos reais ou não.
Vamos lhe indicar sete filmes que vão te dar aquele gás para não desistir do seu negócio.

1.O lobo de Wall Street

O filme é baseado em fatos reais e conta a história de Jordan Belfort que é um corretor de ações  que após ficar muito rico acabou preso sob a acusação de crimes de colarinho branco.
Apesar de falar sobre fraudes, o filmes é interessante pelo fato de mostrar o jogo de cintura do personagem principal em algumas situações.

2. O homem que mudou o jogo

Ao contrário do que as pessoas pensam, o filme não é sobre esportes, mas sim sobre a determinação do treinador Billy Beane que fez o Oakland Athletics se destacar na liga nacional de beisebol. O ponto chave da história é o fato do time ser desacreditado, principalmente pela baixa folha salarial de seus jogadores.

3. A dama de ferro

Falou em filme com a Meryl Streep a gente já se anima, não é mesmo.
O filme A dama de ferro conta a trajetória e o drama da primeira mulher a se tornar a primeira-ministra do Reino Unido. Com a atuação neste filme, a atriz ganhou o segundo Oscar se sua carreira. Promessa de um bom filme!

4. A Rede Social

Mark Zuckerberg era um jovem universitário quando criou a Rede Social Facebook. Este negócio se tornou um dos mais rentáveis do mundo e transformou o Mark em um dos homens mais ricos do planeta.

5. O jogo da imitação

A Segunda Guerra Mundial é um acontecimento catastrófico em nossa história, mas também trouxe uma história muito interessante. Durante a guerra, o matemático Alan Turin criou uma máquina com a capacidade de decifrar mensagens criptografadas pelos alemães no que era chamado de Enigma.Vale muito apena assistir essas histórias e usá-las como inspiração para alcançar os seus objetivos.

Quanto devo investir no meu negócio?

O plano de negócios é a porta de entrada para quem quer empreender. Abrir uma empresa pede planejamento e muita organização para que o sucesso seja alcançado. Para que isso aconteça é preciso estar atento a todos os detalhes desde o inicio. Decida qual tipo de negócio vai criar e para quem vai oferecer os seus serviços e o mais importante: em quanto tempo pretende ter seu investimento de volta.

Qualquer pessoa que queia empreender deve se ater a um plano de negócios. Isso vai ajudar você a ter organização na hora de começar o seu negócio e vai tornar as coisas muito mais fáceis.

Mas a pergunta que não quer calar é: quanto vou investir?

O primeiro ponto a ser verificado é a respeito da abertura da empresa. Os gastos com documentação, abertura de CNPJ, pagamento de taxas, alvarás, licenças, honorários contábeis, entre outros. Se achar interessante, crie uma planilha detalhada.

Essas informações são a parte burocrática, documental, mas lembre-se que a abertura engloba outros pontos: máquinas, equipamentos, decoração, ponto comercial, logomarca, website, móveis, propaganda e material gráfico.

O plano de negócios deve ser feito com o máximo de cautela e tudo deve ser levado em consideração, sejam gastos pequenos ou grandes.

As despesas mensais devem ser calculadas também independentemente se são fixas ou variáveis. Os custos fixos são todos aqueles que são necessários para empresa funcionar sem problemas. São os seguintes: salários, comissões, aluguel, luz, internet, marketing, manutenção, materiais de limpeza e escritório, sistemas de segurança, seguro, etc.

Os custos variáveis podem ser qualquer coisa inesperada e por isso não é possível calcular com exatidão. Mas nem por isso deve ficar de fora. Faça uma estimativa de valor e coloque na sua planilha.

Após definir todas estas informações, calcule quantos meses serão necessários para que você inicie a sua obtenção de lucro e aí você saberá, finalmente, quanto deve investir.

Seis erros que podem fazer seu empreendimento desandar

O planejamento é a base para abertura de qualquer empresa em qualquer ramo. Infelizmente, muitos empreendedores acreditam que basta ter a ideia e iniciar o negócio que o dinheiro vai entrar. Mas a verdade é bem diferente. É preciso estar de olho no mercado e atento aos erros que podem ser fatais para que a empresa conquiste seu espaço. Por isso vamos mostrar quais os principais erros cometidos pelos empreendedores.

1. Não faça tudo por um único cliente
Um erro muito comum é basear tudo o que faz na sua empresa no gosto de um cliente específico. Isso pode ser porque talvez ele seja o mais fiel ou até mesmo o seu primeiro cliente. Não esqueça que mais cedo ou mais tarde ele pode te abandonar e isso vai te trazer muito prejuízos.

2. Não ter fornecedores o suficiente
Comprar sempre nos mesmos fornecedores pode trazer alguns benefícios, como descontos por fidelidade, frete grátis, etc. Porém não esqueça de contar com mais de um fornecedor, pois falhas acontecem e o ideal é que você tenha a quem recorrer em uma situação complicada.

3. Não se planejar
A falta de planejamento é, para mim, o pior erro. Planejar com cuidado os passos de sua empresa pode ser a peça chave para garantia do sucesso, porém alguns empreendedores não o fazem e iniciam a empresa sem um plano de negócios que a sustente a médio e longo prazo.

4. Se enrolar com prazos

Seja na entrega de um produto ou serviço, não cumprir prazos pode fazer o seu cliente nunca mais comprar com você. Não dê prazos muito curtos apenas para garantir o cliente se você não tem certeza que conseguirá cumpri-los.

5. Vender de qualquer maneira

Você conquista um cliente e resolve que vai vender a ele a qualquer custo e na ânsia de fazer isso, acaba comprometendo a qualidade do seu produto/serviço.

6. Falta de capacitação

Lembre-se que quanto mais você se capacitar na área que está empreendendo, melhor vai ser a entrega de seu trabalho ao seu cliente e é isso que vai trazer mais sucesso ao seu negócio. Infelizmente, muitos empreendedores acabam iniciando em seus ramos sem o conhecimento necessário.

Fique atento a esses erros e diminua ao máximo as chances de seu negócio naufragar por isso.

Como criar um plano de negócios e garantir o sucesso de seu empreendimento

Ser dono do próprio negócio é o sonho de muita gente, principalmente os brasileiros, que vêem a crise como um impulsionador para se arriscar e empreender. Tem sido recorrente a procura de informações sobre o assunto.

O que deve estar muito claro é que, apenas a vontade de se tornar um empresário não é o suficiente para garantir o sucesso. O que vai colaborar com isso é o planejamento, que vai evitar que o futuro empresário cometa erros no caminho. Muitas empresas fecham as portas precocemente por não planejar suas ações.

A grande maioria não sabe muito bem como iniciar esse planejamento e assim evitar a falência precoce. O primeiro passo é criar um Plano de Negócios que vai servir como bússola para nortear o caminho a ser seguido.
O Plano de Negócios, nada mais é, que um documento com as informações necessárias para iniciar a abertura de uma empresa. Em posse dele, o empreendedor terá uma melhor visão de mercado e mais informação sobre o setor escolhido.

Comece definindo quais tipos de serviços e/ou produtos serão oferecidos e faça uma ampla pesquisa sobre os mesmos. Em seguida, deve definir qual o público-alvo e quanto tempo será necessário para obter de volta o dinheiro investido.

Opte por qual enquadramento tributário vai se inscrever e o capital social para inicio do negócio. Neste capital é interessante acrescentar um investimento para o marketing que será de total importância, principalmente nos primeiros meses.

Faça uma análise financeira de qualidade, nela deve ser computado todos os gastos e investimentos fixos e variáveis, além de estimar capital de giro e faturamento mensal da empresa. Nestes investimentos devem estar inclusos os custos de materiais e matérias-primas.

É recomendável que o empreendedor faça simulações de valores com relação as vendas, que devem ser pessimistas e otimistas. É uma maneira de tentar se precaver no caso de uma situação desfavorável.

O Plano de Negócios deve continuar auxiliando o empreendedor mesmo depois da abertura da empresa. É muito importante que durante sua gestão, ele continue sendo revisado e seguido. Isso vai fazer com que sua empresa alcance o sucesso e se mantenha no topo.

 

Quem deve declarar o Imposto de Renda 2019?

Este ano, o prazo para declaração do Imposto de Renda está mais curto devido o feriado de Carnaval. Diferente dos outros anos em que o contribuinte tinha cerca de dois meses para o preenchimento, o período será de 07 e março até 30 de abril de 2019 às 23:59, horário de Brasília. Recomendamos ao contribuinte que comece o preenchimento o quanto antes, uma vez que a não entrega da declaração dentro do prazo implica em multa que vai de R$ 165,74, valor mínimo, até 20% do valor de imposto devido. Além disso, o declarante pode cair na “malha-fina” caso omita alguma informação.

Conheça os critérios utilizados para definir quem deve declarar o Imposto de Renda:

* Contribuintes que residam no Brasil e que tenham tido ganhos, em 2018, superiores ao valor de R$ 28.559,70 ou R$ 1903,98 mensais;
* Pessoas que tenham ganho, em 2018, capital por meio de alienação de bens e direitos;
* Contribuintes que tenham tido ganhos não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte e que tenham ultrapassado o valor de R$ 40 mil no ano passado;
* Pessoas que praticam atividade rural e tenham tido ganhos superiores a R$ R$ 142.798,50;
* Pessoas que tenham, até o dia 31 de dezembro de 2018, tomado posse de algum bem que ultrapasse o valor de R$ 300.000,00.
* Pessoas que tenham se tornado residentes em nosso país em qualquer mês de 2018 e tenha permanecido assim até o dia 31 de dezembro de 2018.
* Qualquer pessoa que tenha optado pela  isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais e tenha utilizado o valor na aquisição de imóveis residenciais localizados no país. Isso dentro de 180 dias após a venda.

Nos anos anteriores, o contribuinte não precisava apresentar o CPF de seus dependentes, pois tratava-se de informação facultativa, porém em 2019, torna-se obrigatório o preenchimento independente da idade do mesmo.
Outro ponto que está diferente este ano é com relação aos bens do contribuinte que, a partir de agora, devem estar detalhados na declaração. Além disso, a alíquota efetiva deverá constar ao lado dos valores a pagar e da restituição a receber.

Os contribuintes que tiverem dúvidas sobre o preenchimento do Imposto de Renda 2019, devem procurar um escritório contábil e para lhe auxiliar e sanar todas as dúvidas.